Feliz dia do arroz doce

feliz-dia-do-arroz-doce

Feliz dia do arroz doce, das claras em castelo batidas à mão, das batatas fritas em azeite, das torradas crocantes de papo seco com manteiga de vaca, das papas e iogurtes cheios de açúcar e das combinações mais improváveis de acompanhamentos de sempre como esparguete com batatas fritas e ovo mexido!
Feliz dia do “Anota aí. Pões um bocadinho disto, uma pinguinha daquilo, uma «machinha» de aqueloutro” e ficamos à … Ler mais

Irmãos

Irmãos

Muito conversam. Muito planeiam. Muito conspiram. Muito se riem, numa cumplicidade fraterna única que me comove e realiza.
E eu, na minha subtil vigilância de mãe leoa que fica atrás a vê-los explorar caminho, sei com toda a certeza que a melhor coisa que lhes dei foi o privilégio de se terem um ao outro e crescerem juntos. E não há nada que possa desejar mais que vê-los assim, lado … Ler mais

Audrey Pota

Audrey-pota

Estava distraída a ver um vídeo no computador quando ela se aproximou e começou a vê-lo comigo, encantada.
– Quem é essa senhora, mãe?
– É a Audrey Hepburn. É bonita, não é?
– Sim.
– Já morreu. Mas era uma atriz de Hollywood, muito famosa.
– Pois, já percebi. Ela era assim, como a Popota, não é?

(Grito silencioso a ecoar em cérebro materno subitamente afectado com tal … Ler mais

Esta não é uma página de pedagogia

esta-nao-e-uma-pagina-de-pedagogia

1º- Não faz mal comer coisas às escondidas, principalmente se estivermos a falar de prazeres gastronómicos que os nossos filhos nem sequer sabem apreciar. Sim! Para quê dar-lhes um Ferrero Raffaello, com tanta barrinha Kinder lá em casa?
2º- Não faz mal cedermos o nosso lanche ou sobremesa, desde que isso não seja a regra nem um acto de capricho deles.
3º- Ontem ainda lhe dei na cabeça por ele … Ler mais

Uma peruca na boca

peruca-na-boca

No fim-de-semana, a bisavó deu-lhes uma eficaz lição sobre a necessidade de lavar sempre os dentes. Para ser sincera, não sei o que lhe passou pela cabeça quando o fez, mas deduzo que seja a irreverência e rebeldia próprias da idade. O que é certo, é que se aproximou deles e disse-lhes:
– Os dentes são para lavar sempre. Senão… Olhem! Acontece-vos isto! – E sem mais nem menos ou … Ler mais

“O amor não se compra. O amor merece-se.”

O amor merece-se

O Salvador, agarrado ao gato, a ter conversas banais que qualquer criança de sete anos tem com o seu animal de estimação: “Gato, o amor não se compra. O amor merece-se. Percebeste?”
Por mim, nada a acrescentar.
Só acho que o gato é da opinião que o amor se merece, mas só depois umas quantas embalagens de whiskas saquetas ou umas fatiazinhas de fiambre da perna extra, bem fininhas, acompanhadas … Ler mais

Quantos dias faltam?

quantos-dias-faltam

Conversas quando vamos as duas a pé, buscar o irmão à escola.
– Quantos dias faltam para o Natal, mãe?
– Faltam muitos, ainda.
– Quantos?
– As tuas mãos, cinco vezes.
Ela olha para as mãos, e abre e fecha-as cinco vezes.
– Hum… Isso é muito. – conclui, desanimada.
– Pois é. Mas vai passar num instante, vais ver.
Ela fica calada, com ar de quem processa a … Ler mais

Contentores

ecoponto

O ponto alto do dia deles foi no caminho entre a escola e a nossa casa, o qual percorremos todos os dias a pé. E porquê?

Porque fizemos uma paragem no parque?
Não.

Porque a mãe fez o bolo preferido deles para o lanche?
Não.

Porque no regresso tivemos um encontro imediato com um ecoponto voador?
Sim! Isso mesmo! Quem nunca?
E lá ficamos nós, parados no passeio, a assistir … Ler mais

Caminhar sozinho

Dia dos irmãos

O ano passado matriculei-o. Ele não entrou porque era “condicional” apenas por um dia.
Este ano matriculei os dois. Ela não entrou, por ser “condicional” por uma semana.
Eles estão juntos quase desde sempre. Qualquer pessoa diria desde que ele tinha um ano, mas eu digo que estão juntos desde os seus três meses de vida – altura em que ela, com pressa de se juntar ao irmão, passou a … Ler mais

Apesar de me lembrar até hoje…

apesar-de-me-lembrar-até-hoje

Eles exclamaram de alegria por terem encontrado um cogumelo no prato e nós franzimos o sobrolho de dúvida e depois arqueámo-lo num momento de clarividência, e então permanecemos quietos e calados, num suspense de cortar o fôlego, porque sabemos que não pusemos cogumelos na comida mas alimentamos a esperança que finalmente aprendam a gostar de beringela “fingida”. Que, claro, pode também ser chamada de “cogumelo”, se preferirem!
Os meus pais … Ler mais