Na escuridão da noite

escuridão-da-noite

Eu e o Dom Baltazar no nosso passeio nocturno, tranquilos da vida. Eu a ver as estrelas e a pensar na vida… Ele a cheirar exaustivamente a urina canina alheia em todos os postes ao longo da rua… Até que ele pára, a fitar algo na escuridão da noite, junto ao contentor do lixo. O pêlo do dorso eriça-se, detectando uma possível ameaça. Um rosnado ameaçador ecoa da sua garganta, deixando-me em sobressalto. Todo o seu corpo se retesa de tensão, à minha frente, como que a proteger-me do perigo. Com todos os meus sentidos em alerta, enrolo a trela em torno da mão, com força, esperando que ele se mande a alguém a qualquer momento…

Era um bidé.
Um terrível e ameaçador bidé.
Toda a gente sabe que loiça sanitária não é de confiança. Os bidés são especialmente traiçoeiros.

Partilha!Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someoneBuffer this page

Leave a Comment.