Terror no talho

terror-no-talho

Fomos ao talho.
Curiosa, a Maria Luísa encosta-se à vitrine a observar atentamente cada peça de carne, até que se depara com um leitão rosadinho que parece dormir o sono dos inocentes:
– NÃO! O porquinho Babe! – grita horrorizada, levando as mãos à cara.
Em choque, desvia os olhos noutra direcção para arregalá-los novamente perante as codornizes alinhadinhas e depenadas de rabo espetado:
– Oh não, mãe… Eles têm … Ler mais

Irmãos

Irmãos

Muito conversam. Muito planeiam. Muito conspiram. Muito se riem, numa cumplicidade fraterna única que me comove e realiza.
E eu, na minha subtil vigilância de mãe leoa que fica atrás a vê-los explorar caminho, sei com toda a certeza que a melhor coisa que lhes dei foi o privilégio de se terem um ao outro e crescerem juntos. E não há nada que possa desejar mais que vê-los assim, lado … Ler mais

Audrey Pota

Audrey-pota

Estava distraída a ver um vídeo no computador quando ela se aproximou e começou a vê-lo comigo, encantada.
– Quem é essa senhora, mãe?
– É a Audrey Hepburn. É bonita, não é?
– Sim.
– Já morreu. Mas era uma atriz de Hollywood, muito famosa.
– Pois, já percebi. Ela era assim, como a Popota, não é?

(Grito silencioso a ecoar em cérebro materno subitamente afectado com tal … Ler mais

Esta não é uma página de pedagogia

esta-nao-e-uma-pagina-de-pedagogia

1º- Não faz mal comer coisas às escondidas, principalmente se estivermos a falar de prazeres gastronómicos que os nossos filhos nem sequer sabem apreciar. Sim! Para quê dar-lhes um Ferrero Raffaello, com tanta barrinha Kinder lá em casa?
2º- Não faz mal cedermos o nosso lanche ou sobremesa, desde que isso não seja a regra nem um acto de capricho deles.
3º- Ontem ainda lhe dei na cabeça por ele … Ler mais

Não há uma para mim?

não-há-uma-para-mim

– Salvador, vou fazer tostas para mim e para a mana. Também queres?
– Não, obrigada. Só quero torrada.
– Tens a certeza?
– Sim. Só quero uma torrada. Ou melhor… quero duas. Uma por cima da outra.
– Isso é quase uma tosta… Porque não queres uma, como nós?
– Porque quero torradas e não tostas, mãe!
– Pronto, ok… – e coloco duas fatias de pão na torradeira.… Ler mais

“O amor não se compra. O amor merece-se.”

O amor merece-se

O Salvador, agarrado ao gato, a ter conversas banais que qualquer criança de sete anos tem com o seu animal de estimação: “Gato, o amor não se compra. O amor merece-se. Percebeste?”
Por mim, nada a acrescentar.
Só acho que o gato é da opinião que o amor se merece, mas só depois umas quantas embalagens de whiskas saquetas ou umas fatiazinhas de fiambre da perna extra, bem fininhas, acompanhadas … Ler mais

Quantos dias faltam?

quantos-dias-faltam

Conversas quando vamos as duas a pé, buscar o irmão à escola.
– Quantos dias faltam para o Natal, mãe?
– Faltam muitos, ainda.
– Quantos?
– As tuas mãos, cinco vezes.
Ela olha para as mãos, e abre e fecha-as cinco vezes.
– Hum… Isso é muito. – conclui, desanimada.
– Pois é. Mas vai passar num instante, vais ver.
Ela fica calada, com ar de quem processa a … Ler mais

Contentores

ecoponto

O ponto alto do dia deles foi no caminho entre a escola e a nossa casa, o qual percorremos todos os dias a pé. E porquê?

Porque fizemos uma paragem no parque?
Não.

Porque a mãe fez o bolo preferido deles para o lanche?
Não.

Porque no regresso tivemos um encontro imediato com um ecoponto voador?
Sim! Isso mesmo! Quem nunca?
E lá ficamos nós, parados no passeio, a assistir … Ler mais

Ao poderoso chamado do Equinócio

ao poderoso chamado do Equinocio

Eu queria sentar-me com calma e escrever sobre como tu vieste ao poderoso chamado do Equinócio de Outono e da Lua Cheia – a mais bonita e brilhante que vi na vida – numa madrugada serena de Setembro de 2010. Queria contar como a enfermeira que te puxaria para o mundo, se sentou ao pé de mim e partilhou comigo um chá de maçã e canela polvilhado de sorrisos e … Ler mais

Sete anos

16 de Setembro

Nos últimos dias mal tive tempo de me deter sobre um dos maiores eventos da minha vida: o teu nascimento e o sétimo ano após esse grande dia. Acho que é porque mal consigo acreditar que já se passaram sete anos, que tu acabaste de entrar na escola primária sem sequer temeres o meu virar de costas, e no fim do dia ainda me dizes com o teu sorriso sedutor … Ler mais