Para ti

para-ti

Isto é para ti:

Para ti, que choraste de felicidade ao veres os dois risquinhos vermelhos naquele teste de farmácia que guardas religiosamente, até hoje.
É para ti, que tremeste de medo, dúvida e insegurança, mas superaste-os a todos à medida que te apaixonavas pela tua barriga em crescimento e por aquele outro batimento cardíaco dentro ti.
E é para ti, que foste em frente sozinha e te tornaste mãe … Ler mais

Silêncio

Marta mértola casa xico

Há momentos na vida em que gostaríamos de pedir licença para sair da carruagem que nos leva pelos carris da rotina. Saltarmos mesmo com o comboio em andamento, só para contrariarmos o percurso, irmos num passo mais brando, a nosso bel-prazer, com tempo para respirar, apreciar a paisagem, parar onde quisermos, termos longos diálogos com a inquietação dentro de nós ou simplesmente tentar encontrar o silêncio na nossa mente. O … Ler mais

“Igualdade de género”

igualdade-de-genero

Não. Não é “igualdade de género”.
Os géneros não são iguais! Eu não sou nem quero ser igual a um homem – eu, que gosto tanto de ser mulher. E não, nós não somos inferiores, nem superiores. Somos o outro género. O outro lado da moeda. O outro sócio da empresa. A outra peça da engrenagem. O outro pilar onde assenta a Humanidade. E na nossa igual e imensa importância, … Ler mais

Uma peruca na boca

peruca-na-boca

No fim-de-semana, a bisavó deu-lhes uma eficaz lição sobre a necessidade de lavar sempre os dentes. Para ser sincera, não sei o que lhe passou pela cabeça quando o fez, mas deduzo que seja a irreverência e rebeldia próprias da idade. O que é certo, é que se aproximou deles e disse-lhes:
– Os dentes são para lavar sempre. Senão… Olhem! Acontece-vos isto! – E sem mais nem menos ou … Ler mais

A rapariga do cabelo vermelho

A-rapariga-do-cabelo-vermelho

A rapariga fumava um cigarro encostada à parede do supermercado, frente ao parque de estacionamento, com um cabelo vermelho vivo que não passava despercebido a ninguém. Assim que a viu, a Maria apertou-me a mão e começou a sussurrar, com grande entusiasmo. Já perdi a conta às vezes que lhe disse que não deve segredar-me coisas à frente de outras pessoas. Peço-lhe que guarde na memória o que me quer … Ler mais

Dissidentes natalícios

dissidentes-natalícios

Há coisas sagradas com as quais não se brinca. Princípios que alimentam a nossa essência, a nossa identidade, que nos acompanham ao longo da vida, transportando em si um pouco da magia de que somos feitos. Ah, mas não… Não pode ser! Porque há sempre alguém armado em moderninho que tem que dar azo à sua criatividade e ego “artístico” gigantesco e puxar-nos o tapete debaixo dos pés e abalar … Ler mais

Está dito, está dito!

está-dito-está-dito

Começo o dia a beber café na companhia da minha filha e da minha mãe, depois de deixar o pequeno na escola. À saída da pastelaria encontramos uma senhora idosa de cabelo branco e olhar doce que pelo que percebi conhece a minha mãe desde criança mas que não a vê há décadas, e por isso manifesta grande contentamento com o reencontro. Iniciam-se então as actualizações da vida: “E o … Ler mais

O trolley

o trolley 1

Vou à procura da mochila que ele tem guardada no roupeiro, há já uns meses, à espera do seu momento de utilidade escolar (ou seja, amanhã). Está destinada para este fim desde o dia em que uma amiga da família lhe ofereceu, e por isso foi das poucas coisas que não tive que me preocupar em comprar. Sei que a adorámos no dia em que ele a desembrulhou e ficou … Ler mais

Primeiro de Agosto, primeiro de Inverno

Primeiro de Agosto

A minha avó tem uma frase típica para o dia de hoje, carregada de positivismo e ânimo, principalmente para quem esperou tanto tempo para ir de férias no oitavo mês do ano:
“Primeiro de Agosto, primeiro de Inverno.”
Tau! Assim, este fatalismo todo sem aviso nem açúcar, mesmo quando estás a guardar o fato de banho e os teus vestidinhos mais leves na mala, a assinalar as cascatas onde queres … Ler mais

Sabes gato…

sabes-gato

Sabes gato…

um dia vais crescer e engordar e deixar de ser só orelhas e olhos. Vais deixar de subir para cima da mesa do pequeno-almoço e tentar beber-me o café e roubar-me as torradas, o queijo, o fiambre, os ovos mexidos e tudo o que nós comemos, basicamente. Não irás mais provar sopa directamente da panela nem aparecer com os bigodes sujos de molho de tomate. Vais dormir ao … Ler mais