A “malta dos cães”

O jardim Dom Baltazar

É curioso como a nossa sociedade arranja uma série de termos técnicos para classificar os mais diversos tipos de descriminação (racismo, xenofobia, homofobia, misoginia, machismo, misandria) e condena-os a todos, mas depois referem-se depreciativamente a determinados grupos de pessoas como por exemplo “ah e tal, essa malta dos cães (que horror!)”, como se fossem de um universo à parte. Como se chamará à descriminação feita à “malta dos cães”? Canídeofobia? … Ler mais

São Baltazar

Dá a pata2

Deixei o Baltazar a farejar as árvores e a relva, sentei-me no banco do jardim, tirei o pequeno bloco de notas e a caneta, e quando voltei a erguer a cabeça, vi-os. Lá estavam eles, outra vez. Observavam o cão, atentamente e de braços cruzados sobre o peito, provavelmente a magicar a próxima patifaria. Depois caminharam na minha direcção, e ficaram de pé, junto ao banco.
Desta vez não me … Ler mais

Dom Baltazar e o atentado

Baltazar e o atentado

Tudo aconteceu esta manhã, enquanto passeava pelo jardim com o meu comparsa canino, Dom Baltazar, e ele se lembrou de correr atrás dos pombos que parecem ter lugar cativo num determinado ponto do passeio, mesmo por baixo de uma determinada varanda, de onde todos os dias chovem banquetes destinados à comunidade columbófila da rua. Ora, apesar de não ter cartão de sócio, Dom Baltazar quis participar da festa e interagir … Ler mais

Dom Baltazar foi ao Charco

quinta das tilias herdade pombal labradores

O encontro tinha início às nove da manhã, mas às nove e meia ainda nós andávamos na auto-estrada, a seguir as coordenadas que nos tinham sido dadas.
– Se tivéssemos saído de casa a horas decentes e nos tivéssemos encontrado com o grupo que se ia juntar no Campera, já lá estávamos! – reclamei eu que odeio atrasos e que ainda estava furiosa por ele se ter lembrado de ir … Ler mais